BLOG

Um dia para aprender estratégias de negócios em Nova York

Marketing | 16 de janeiro de 2015

Olá galera!

A Big Show encerrou ainda na quarta-feira, 14/01, e assim mesmo o conhecimento por aqui não acaba! Nesta quinta-feira, 15/01, foi dia de realizarmos visitas técnicas. Acredito ter sido um dos melhores, porque algumas empresas abriram as portas para nós, demonstrando e falando sobre estratégias de negócio, vistas de dentro das lojas.

Tenho certeza que podemos pegar a essência dessas inovações que eles trabalham aqui nos Estados Unidos e adaptá-las à nossa realidade. Abaixo listei as lojas que foram visitadas e o que de mais interessante encontrei nelas no que diz respeito a estratégias de vendas, marketing e publicidade.

B&H (Loja especializada em produtos para foto e vídeo)

- Os vendedores não tem comissão, segundo eles, assim podem oferecer melhor atendimento e indicar o melhor produto para o cliente e não o mais caro;

- Os clientes ficam livres dentro da loja para comprar e visitar até mesmo outros setores;

- Tudo lá é setorizado;

- Os clientes podem testar os produtos;

- O principal canal de vendas é o ecommerce;

- Treinamento individual para os vendedores de cada setor da loja, especializado para cada tipo de venda. Inclui treinamento dos fornecedores;

- Possui departamento de marketing;

- Buscam agências de turismo com o objetivo de incentivar visitas na loja. E assim, através dos vouchers, as agências ganham comissões;

- Departamento de Price Matching, que serve para comparar preços e assim gerar competitividade.

Macys (Loja de roupas, calçados, acessórios e de cama, mesa e banho)

- É a maior loja de departamentos do mundo;

- Primeira loja a utilizar preços em etiquetas;

- 1,2 milhões de m² de loja, onde há 5 mil funcionários dentro da loja;

- Só no mês de dezembro, cerca de 100 mil pessoas chegam a visitar a loja;

- A loja possui muitas lojas dentro dela mesma (conceito store in store);

Suas quatro políticas principais são:

- Clientes sempre em primeiro lugar: O pensamento é imaginar diferentes formas de atrair clientes e também mantê-los;

- Publicidade e marketing: A loja utiliza celebridades nas publicidades;

- Retornos: Doações que ajudam a aumentar as vendas, como cartas de natal, campanha de conscientização, descontos, promoções e eventos, fidelidade, temporada de compras com preços baixos, centro de visitantes, passes de visitantes com mais descontos. Cerca de 20% das vendas da loja são feitas através dos passes e vouchers;

- App para mais informações da loja: Dentro da loja e outro para os funcionários buscarem informações e produtos, sem deixar o cliente sozinho.

Rebecca Minkoff (Loja de bolsas, roupas, calçados e acessórios de luxo)

- Os clientes iniciam a visita na loja com um espelho interativo;

- Ao escolher um produto, é possível selecionar o tamanho, a cor e adicioná-lo ao provador;

- Água e café disponíveis para os clientes;

- Os vendedores recebem avisos através de tablets;

- As roupas possuem etiquetas de identificação por alta frequência, ao entrar no provador ela carrega o produto com sugestões de outros que estejam associados a ele, com tamanho, cores e opção para fechar a compra.

Camper (Loja de calçados e acessórios)

- A exposição dos produtos é bem diferente do que costumamos ver. A loja guia para seguir um certo caminho, através de um layout bem bolado;

- Os produtos são bem distribuídos, na altura dos olhos e das mãos;

- Cada produto tem um espaço individual;

- Os preços são apresentados de forma discreta, dentro do produto, sem etiquetas grandes (para valorizar ainda mais o produto). 

Sabon (Loja especializada em produtos para o corpo, através de ingredientes naturais)

- Incentivo ao uso do produto;

- Amostras para exposição;

- Na Sabon, aprendemos que o melhor a fazer em uma loja é deixar o cliente tocar os produtos. Deve-se evitar deixar placas que inibem o contato com os produtos, como aquelas: “Não toque nos produtos”.

Samsung (Loja de produtos eletrônicos)

- A loja tem posicionamento de indústria e varejo;

- Também há o incentivo ao uso dos produtos;

- Os ambientes e as vitrines são renovadas constantemente;

- Existem programas de experimentos e treinamentos;

- Os vendedores auxiliam na transferência dos dados e troca de aparelhos;

- Há espaço para as crianças;

- Showroom interativo.

Galera, percebe-se que o negócio deles é saber vender! Eles trabalham o marketing de maneira intensa, como ninguém! Ou seja, os americanos sabem vender muito bem!!! Hoje fico por aqui, abraço!