Todo o empreendedor quer saber como conquistar o consumidor dos seus produtos e serviços, mas hoje em dia, com tanta tecnologia, inovação, aplicativos e redes sociais, está cada vez mais difícil seguir os velhos hábitos do comércio e da indústria que, antes, geravam resultados.

Frequentemente, em reuniões de negócios da Six, ouvimos as mesmas perguntas e combatemos as mesmas objeções.

Algumas clássicas como:

– As pessoas ainda têm muito medo de comprar a internet, não vale a pena investir nisso.
– Não adianta escrever, as pessoas não gostam de ler.

Essas duas objeções são tão clássicas, que é muito fácil de perceber que elas normalmente são apresentadas por pessoas, que estão agarradas em um padrão antigo, do tipo, “nós sempre fizemos assim”.

Infelizmente, esses empreendedores acabam sendo esmagados, com a crença de que quem levou os seus clientes foi a crise, ou concorrente que baixou os preços.

O Consumidor mudou

A facilidade de acesso a qualquer informação, em segundos, na palma da mão, está ajudando a formar um novo tipo de consumidor, o “Consumidor de Experiências”.

Esse novo consumidor sabe descobrir rapidamente onde estão os melhores preços, quais são as lojas e empresas mais confiáveis, como diferenciar um produto bom e outro não tão bom (por características técnicas) de qualquer segmento, onde economizar no frete, receber a entrega mais rápido, contar com um serviço de garantia confiável e, no caso de problemas mesmo, quais empresas se comprometem a resolver problemas.

Mas então, se ficou fácil assim, onde esse consumidor compra?

Essa é resposta de um milhão de dólares, mas que agora, vai de graça para você. Anota aí!

– Ele compra, onde ele quer comprar!

Calma aí, não precisa atirar tomates na tela não, você já vai compreender.

Primeiro, vamos aos números:

– 79% dos usuários de smartphones esperam obter informação imediata quando usam o aparelho para procurar informações na internet*.

Onde não há paciência, há objetividade. Se as pessoas sabem onde encontrar o que querem e sabem como conseguir o que querem, logo, o desafio maior, passa a ser compreender qual das experiências de aquisição lhes foi mais satisfatória.

Isso é simples, acompanhe comigo:

Se o tênis que você quer comprar, por exemplo, custar R$ 150,00 na internet, com frete grátis e entrega rápida, mas no centro da sua cidade ele custa R$ 10,00 ou R$ 20,00 a mais, e você está com disposição e até mesmo vontade de dar uma passeada por lá, com certeza, essa pulguinha atrás da sua orelha vai te fazer pensar.

Qual das duas experiências, eu, como consumidor consideraria melhor para fazer a minha compra? E você? E o seu amigo?

Pessoas diferentes consideram experiências diferentes como “bom e ruim”.

Veja estes números:

estatísticas
*Fonte das pesquisas: Consultoria Provokers / Google Brasil

O consumidor está cada vez mais confiante no seu próprio julgamento, pois hoje, ele tem ferramentas para pesquisar, as opções para compra aumentaram.

Isso remete a uma segunda coisa:

Como podemos influenciá-lo nessa decisão, a nosso favor?

Meu conselho como profissional de Marketing?

Posicionamento, estratégia, uma boa estratégia de fidelização de clientes e muita, muita ação!

Ajude o consumidor a comprar

Se o cliente tem como e onde pesquisar, logo, o seu papel, no processo de decisão diminui, mas isso não quer dizer que você deve desistir dele, longe disso!

Apenas, os seus argumentos precisam ser melhor apresentados, respeitando o tempo do cliente em decidir como e quando resolver o problema que ele tem;

Esteja entre as opções!

Sim, não basta existir, é preciso aparecer, ser encontrado, ser percebido.

O site da sua empresa precisa oferecer conteúdos relevantes, para que o Google lhe ofereça como resposta para as dúvidas dos seus clientes.

Entenda a importância que um site profissional tem para o seu negócio, invista e trabalhe muito com ele.

Vivemos na era da mobilidade

Outro requisito importante é a responsividade (adaptação do layout aos dispositivos móveis).

O seu site é responsivo?

Você sabia que “53% dos consumidores abandonam um site mobile que demora mais de três segundos para carregar?”*

Junto com a mobilidade, intensificou-se a impaciência. As pessoas não aguentam mais esperar por um site que não carrega; ou por uma plataforma que precisa de acrobacias para dar zoom, tocar nos links, difícil de ser explorada.

Por este motivo, mantenha o seu site atualizado, tanto em conteúdo, quanto em plataforma.

Mas nem tudo é ferramenta!

Para conquistar o consumidor em mundo cada vez mais digital, o que você precisa é realizar um rappor macro (se é que existe isso), geral, entre você e os seus consumidores. A partir disso, montar um planejamento para investir em marketing digital bem elaborado.

Em outras palavras, não adianta estar lá se você não se importar em de fato ajudá-los, afinal, conteúdo não se faz em quantidade, mas em qualidade.

Conteúdo precisa resolver problemas e não alimentar mais dúvidas. Ou então, o que é pior, apenas repetir a palavra-chave buscada dezenas de vezes, sem nenhuma informação útil, apenas forçando uma indexação chata, para conquistar cliques.

Enfim, para vencer no digital é preciso pensar como quem é digital.

Mas Adriano, isso é loucura, como eu posso fazer isso, se eu não sou uma pessoa acostumada com o digital?

Sabe aquele seu filho(a), amigo(a), namorada(o), que não sai do celular? Aquele mesmo, que passa horas no zapzap e, para tudo o que você pergunta, ele faz uma pesquisa no Google para te dar um show na resposta?

Pois então, que tal pagar um cafezinho para ele e chamá-lo para uma boa conversa agora? Nem que seja pelo zapzap… rsrs

Dúvidas? Opiniões? Pergunte aqui embaixo, nos comentários!

Aquele abraço!

*Fonte das pesquisas: Consultoria Provokers / Google Brasil

Quem já comentou sobre isso: